sexta-feira, 10 de outubro de 2008

O RETORNO DE HÉRCULES (HERCULES RETURNS, 1993)

MAIS ENGRAÇADO QUE GANDHI! MAIS SEXY QUE A PEQUENA SEREIA! MAIS CURTO QUE DANÇA COM LOBOS!

Assim o VHS tupiniquim (lançado pela obscura distribuIdora NCA Pictures) anunciava essa comédia australiana dirigida por David Parker.

O cartaz ao lado não é exatamente desse filme. Ou melhor, é. Mas não é.

Esclareço: trata-se do cartaz turco da produção italiana ERCOLE, SANSONE, MACISTE E URSUS, GLI INVINCIBILI (1964), de Giorgio Capitani.

É um filme da fase final do ciclo dos pepla – anote aí: pepla é o plural de peplum, um tipo de saiote usado por homens na Antiguidade que foi adotado para definir um tipo de produção pé-de-chinelo feita na Itália sobre heróis mitológicos vividos por atores-halterofilistas.


Valia de tudo: semideuses gregos, personagens da Bíblia, guerreiros romanos...

Quando o subgênero começou a definhar, os produtores promoveram uma mistureba sem-fim – teve até aventura reunindo Maciste com Zorro, o justiceiro mascarado do século 19.

Desrespeitando tempo, espaço, geografia e mitologias, o filme de Capitani reunia Hércules (Alan Steel), Sansão (Nadir Baltimore), Maciste (Howard Ross) e Ursus (Yann L’Arvor) numa espécie de “Superamigos da Antiguidade”.

Não foi concebido para ser engraçado, até que o produtor australiano Phil Jaroslow assistiu à dupla Doube Talk dublando a fita ao vivo num show que levava a platéia a se contorcer de tanto rir – Des Mangan fazia as vozes masculinas e Sally Patience, as femininas.

Nasceu assim o hilariante O RETORNO DE HÉRCULES (1993), cujo cartaz orignal você confere abaixo.


Em 8 dias de filmagem, David Parks rodou um fiapo de história, sobre um ex-funcionário de uma grande cadeia de cinemas que resolve reabrir um velho cinema de bairro.

Para a reinauguração, é programada um peplum. Mas o ex-patrão do rapaz sabota a empreitada, fazendo com que a cópia do filme chegue à cabine de projeção com o áudio original, em italiano.

Daí em diante, assistimos à fita sendo dublada em inglês durante a projeção, com o rapaz e seus amigos fazendo todas as vozes da cabine (na verdade, as vozes que ouvimos pertencem ao casal do Doube Talk).

Tá, eu sei que o grupo brasileiro Hermes & Renato faz na MTV um programa nessa linha, intitulado TELA CLASS. Acredite: não tem comparação.


Os australianos do Double Talk fazem rir não só com o que dizem, mas também com o modo e o tom como dizem. Há palavrões, sim, mas jamais usados com gratuidade. Para citar só três, entre tantas falas memoráveis:

"Caia na real, mãe. Eu jamais me casaria com um homem que tem mais tetas que eu.”


“Com esses músculos ele parece uma camisinha cheia de nozes."

“Quando seu deus manda descer o cacete em alguém, você obedece. Religião é isso.”

E as piadas não se restringem aos diálogos. Dos movimentos de câmara aos cenários, O RETORNO DE HÉRCULES é um primoroso espetáculo de reconstrução de sentidos e significados.
















P.S. 1: para mim o terceiro melhor peplum de todos os tempos é a segunda aventura de Hércules: HÉRCULES E A RAINHA DA LÍDIA (1959), de Pietro Francisci















P.S. 2: o troféu de segundo melhor peplum de todos os tempos eu entregaria ao filme que desencadeou a febre dos pepla, AS FAÇANHAS DE HÉRCULES (1959), também do Pietri Francisci













P.S. 3: e o campeão seria HÉRCULES NO CENTRO DA TERRA (1961), de Mario Bava e Franco Prosperi – bem mais do Bava que do Prosperi, é verdade







P.S.4: menção honrosa de peplum que eu mais gostaria de assistir um dia: ZORRO CONTRA MACISTE (1963), de Umberto Lenzi, estrelado pelo mesmo Alan Steel que interpreta Hércules em ERCOLE, SANSONE, MACISTE E URSUS, GLI INVINCIBILI e, por extensão, também em O RETORNO DE HÉRCULES

15 comentários:

contra-regra disse...

Que bom que ainda dá para se encontrar vida inteligente na blogosfera. Encontrei seu blog pelo Viscera e gostei muito. Ganhaste mais um leitor. Estou sempre fuçando blogs alheios em busca de novidades e o seu será mais uma na minha lista.

Meus blogs:
http://claque-te.blogspot.com
http://robertoqueiroz.wordpress.com

Heraclito disse...

Nossa, nem fazia idéia de que um filme assim existisse, milhões de anos atrás do Tela Class. E esse do Lenzi eu também sou louco pra assistir. O Lenzi sempre fez coisas muito diferentes e pioneiras. Pena que como cineasta não tivesse lá muito talento, mas certamente era um cara original e a frente do tempo.

Felipe M. Guerra disse...

Fala tchê. Gostei do seu blog, na verdade ele me inspirou a deixar a preguiça de lado e criar um também. Se sobrar tempo, dá uma passada lá: http://filmesparadoidos.blogspot.com

Diogenes L. Cesar disse...

Grande Rodrigo! Há quanto tempo, rapaz!

Osvaldo disse...

UAU! Bem-vindo, Rodrigo. :)

abraços

Sartana disse...

Fala, Rodrigo! Adicionei o seu link lá no meu outro Blog o B MOVIE BOX CAR BLUES. http://bmovieblues.blogspot.com/

Lembro da resenha da revista SET de quando O Retorno de Hércules foi lançado em VHS! Mas nunca ví a fita por aí...

Um abraço!

SITE DO ARAN disse...

Muito bom o blog, Rodrigo. Dúvida de leitor. Quando eu era pequeno, vi um desses filmes épicos italianos que não lembro o nome, o roteiro nem o elenco. Só lembro que uma hora levantava um enorme Netuno (ou Poseidon) do mar e jogava o tridente em cima do barco, provocando ondas gigantescas. Não sei se era uma versão tosca da Odisséia. Ou de Jasão e os Argonautas, sei lá. Você conhecece esse troço?

Rodrigo Pereira, um sujeito que gosta de cinema disse...

CONTRA-REGRA, FELIPE M. GUERRA e SARTANA: teus blogs esttão adicionados nos meus BLOGS QUE VICIAM.

HERACLITO, espero que meu texto tenha deixado claro que não tenho muito apreço pelo TELA CLASS. Acho só uma desculpa para os Hermes e Renato ficarem vomitando palavrões.

DIOGENS L. CESAR, há quanto tempo, rapaz!

OSVANDO, valeu pelas boas-vindas. Já tô me sentindo em casa na blogsfera. Quer dizer, mais ou menos em casa...

SITE DO ARAN, obrigado. Não consigo imaginar outra resposta que não seja JASON AND THE ARGONAUTS (1963, lançado no Brasil, se não me engano, como JASÃO E O VELO DE OURO.

Mas aí estamos falando de outra coisa.

É mais uma das produções americanas com efeitos especiais do mestre Ray Harryhausen - tipo SINBAD CONTRA O OLHO DO TIGRE.

Sei que esses efeitos especiais podem parecer toscos hoje em dia, mas eram avançadíssimos para a época - e muito, muito acima do que se via nos pepla.

Acho que os americanos não usavam tanto ispor quanto os italianos.

Obviamente, tais considerações só valem se estivermos falando do mesmo filme.

Depois vc me conta?

matheus disse...

Bravo, Rodrigo!
Tava faltando mesmo um blog seu.. Chega de comentários soltos no orkut!

Abraços e parabéns!

Osvaldo disse...

Se aquela medusa de CLASH OF THE TITANS não fosse em stop-motion, eu não teria tido pesadelos com ela quando moleque hehehe

Rodrigo Pereira, um sujeito que gosta de cinema disse...

Atenção, arqueólogos dos pepla: o SITE DO ARAN me mandou um email dizendo que o filme que ele viu com Poseidon atacando uma embarcação NÃO ERA JASÃO E O VELO DE OURO:

"Dos 6 aos 7 anos eu estudei num colégio em Campinas, que era mantido por padres italianos. Era um ex-colégio de padres, na verdade, que tinha virado escola pública. Mas como os caras eram todos italianos, todo sábado eles faziam seções de filmes italianos num cineminha que tinha no colégio. Era só para alunos, pais de alunos e pessoas do bairro. Só passava as tosqueiras da Cinnecitá, então estou convencido de que o filme era italiano mesmo. Do que eu me lembro, um barco navega tranquilamente quando surge Poseidon. Ele então atira o tridente no barco, que consegue se salvar (ou é atingido, não me lembro direito). Também sei que não é o ULISSES, outra produção tosca italiana que tem o Kirk Douglas no papel principal. Esse eu consegui comprar e vi que não tem a sequência. Pode ser uma versão italiana de Jasão, mas não sei."

Quem souber que filme é esse, escreva para mim e ganhe... hmmmmmm.... vejamos... um DVD-r de O RETORNO DE HÉRCULES.

pabloidz disse...

Acabei de assistir, é mesmo um achado essa versão retardada australiana!

Emilia disse...

Você não foi o único. Assisti, e recomendo até hoje.

Gostaria de encontrá-lo em DVD.

:)

Obelix disse...

Será que um dia vou achar esse filme pra poder ve-lo novamente? O filme é Muuito Bom.
Quem tiver e quiser vender uma copia ou algo do gênero é só falar comigo no twitter @omanfredini.

Valeus

Unknown disse...

Ate hj ainda asissto estes epicos que tenh guardado em dvd. Sinto saudades daquela epoca maravilhosa dos epicos italianos quje faziam a alegriade centenas de adolescentes nso anos 60